quinta-feira, 2 de julho de 2009

A prece


Aconteceu que ele rezou. É a vida de quem, à sua maneira, oferece o desconhecido a Deus dia-a-dia.

Para ele, o real é uma impermanência que dura, uma versão piorada da impermanência dos homens.


Há muito que vejo sua prece vestida de dor para sagrar em nós o compartilhamento dos que o fizeram fracassar.


Deus não é de falar muito quando a Ele queremos governar, mas ontem ele deixou Deus falar.


As orações de meu pai - desavergonhadas desde sempre - me dão conclusões do ser como ele é, e de como o mundo se porta em relação ao que acreditamos que seja.


A oração combate às ilusões...


Assim, caminhando, pisaram em seu nome num papel insignificante e logo em seguida Deus dirigiu-se a ele de modo inesperado.


Previsível?
Só o real em sua impermanência e não nos fatos.

A dignidade do real está em Deus. Não por ser Deus o real insuportável, mas por Ele estar lá quando sentimos ser difícil demais.


Deus é um não sei no real.

6 comentários:

Pobre esponja disse...

Só não concordo que a oração combare as ilusões: creio que ela as alimenta.

Parabéns pelo texto

abç
Pobre Esponja

Carlos disse...

Parabéns pelo texto, legal o seu blog.

Obrigado pelo espaço e abraços.
http://www.hinodeonline.net/05095459

Bárbara Moreira disse...

muito bom o texto, você escreve bem. :)

Elton JG disse...

A oração ajuda muito mesmo

parabéns pelo blog


http://jogosgamers.blogspot.com/

Junior disse...

Parabéns pelo texto.

Deus realmente é aquele que nós devemos nos apoiar e assim combater as ilusões do mundo.

E obrigado por visitar o Apostolado Shemá. Nós ficamos muito honrados pela sua vistita. O visitaremos sempre também.

Que Deus te Abençoe!

Paz e Bem!

Leonardo Campos disse...

Fala meu amigo.
Muito interessantes as suas palavras. Vou indicar o blog a uma amiga que ama poesia e estuda filosofia. Irei voltar mais vezes. obrigado pelo comentário no Apostolado Shemá.